Pesquisa personalizada

Pesquisar google aqui

27 de julho de 2010

ABREVIATURAS/SIGLAS eletricidade

ABRADEE - Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica
ABRAVA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento.
AGEEL - Agência Estadual de Energia da Paraíba.
AGEAC - Agência Reguladora dos Serviços Públicos do Estado do Acre.
AGEPAN - Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos do Mato Grosso do Sul.
AGER/MT - Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado de Mato de Grosso.
AGERBA - Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transporte e Comunicação da Bahia.
AGERGS - Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul.
AGESP/ES - Agência Estadual de Serviços Públicos Espírito Santo.
AGR - Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos.
ANA - Agência Nacional de Águas.
ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica.
ANP - Agência Nacional do Petróleo
APE - Auto Produtor de Energia Elétrica.
APE-COM - Agência Reguladora de Serviços Autorizados a Comercializar a Produção Excedente.
ARCE - Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará.
ARCEP/MA - Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado do Maranhão.
ARCO - Agência Catarinense de Regulação e Controle Santa Catarina.
ARCON - Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará.
ARGEAC - Agência Reguladora dos Serviços Públicos de Estado do Acre.
ARPE - Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado de Pernambuco.
ARSAL - Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas.
ARSAM - Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos do Estado do Amazonas
ARSEP/ RN - Agência Reguladora de Serviços Públicos do Rio Grande do Norte.
ARSEP/ MA - Agência Reguladora de Serviços Públicos do Maranhão.
ARTINS - Agência de Serviços Públicos Delegados de Tocantins.
ASEP - Agência Estadual de Servços Públicos Concedidos Rio de Janeiro.
AWEA - American Wind Energy Association.
BEN - Balanço Energético Nacional.
BIG - Banco de Informações de Geração.
BP - British Petroleum
CBEE - Centro Brasileiro de Energia Eólica/UFPE
CCC - Conta de Consumo de Combustíveis.
CEA - Companhia de Eletricidade do Amapá
CEAL - Companhia Energética de Alagoas
CEAM - Companhia Energética do Amazonas
CEB - Companhia Energética de Brasília
CEEE - Companhia Estadual de Energia Elétrica
CELESC - Centrais Elétricas de Santa Catarina
CELG - Companhia Energética de Goiás
CELPA - Centrais Elétricas do Pará
CELPE - Companhia Energética de Pernambuco
CELTINS - Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins
CEMAR - Companhia Energética do Maranhão
CEMAT - Centrais Elétricas Matogrossenses
CEMIG - Companhia Energética de Minas Gerais
CENBIO - Centro Nacional de Referência em Biomassa/USP
CEPEL - Centro de Pesquisa de Energia Elétrica/Eletrobrás
CEPISA - Companhia Energética do Piauí
CER - Companhia Energética de Roraima
CERGAL - Cooperativa de Eletrificação Rural de Anita Garibaldi Ltda.
CERGAPA - Cooperativa de Eletrificação Rural de Grão Pará de Responsabilidade Ltda.
CERGEO - Cooperativa de Eletrificação Rural da Região Geoeconômica de Brasília Ltda.
CERGRAL - Cooperativa de Eletrificação Rural de Gravatal de Responsabilidade Ltda.
CERJ - Companhia de Eletricidade do Rio de Janeiro
CERON - Centrais Elétricas de Rondônia S/A
CERPA - Cooperativa de Eletrificação Rural de Palotina Ltda.
CERPCH - Centro de Referência em Pequenas Centrais Hidrelétricas/EFEI
CERPECH - Centro Nacional de Referência em Pequenas Centrais Hidrelétricas.
CERVALE - Cooperativa de Eletrificação Rural do Vale do Jaguari Ltda.
CERVAM - Cooperativa de Energização e de Desenvolvimento Rural do Vale do Mogi Ltda.
CERVAP - Cooperativa de Eletrificação Rural do Vale do Paranaíba Ltda.
CERVAP - Cooperativa de Energia e Desenvolvimento Rural do Vale do Apodi Ltda.
CERVAR - Cooperativa de Eletrificação Rural do Vale do Rochedo Ltda.
CESP - Companhia Energética de São Paulo
CHESF - Companhia Hidroelétrica do São Francisco
CNPE - Conselho Nacional de Política Energética
COPEL - Companhia Paranaense de Energia
COSERN - Companhia Energética do Rio Grande do Norte
CPEE - Companhia Paulista de Energia Elétrica
CPFL - Companhia Paulista de Força e Luz
CPRM - Companhia de Pesquisa em Recursos Minerais
CRESESB - Centro de Referência para a Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito/CEPEL
CSPE - Comissão de Serviços Públicos de Energia do Estado de São Paulo.
DEC - Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora.
DIC - Duração de Interrupção por Unidade Consumidora.
DMIC - Duração Máxima de Interrupção por Unidade Consumidora.
DOE - Departamento Americano de Energia (Department of Energy)
EFEI - Escola Federal de Engenharia de Itajubá
EIA - Estudo de Impacto Ambiental.
ELETROACRE - Companhia de Eletricidade do Acre
ELETROBRÁS - Centrais Elétricas do Brasil S/A
ELETRONORTE - Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A
ELETROPAULO - Metropolitana Eletricidade de São Paulo S/A
EMAE - Empresa Metropolitana de Águas e Energia S/A
ENERGIPE - Empresa Energética de Sergipe S/A
ENERSUL - Empresa Energética de Mato Grosso do Sul S/A
ESCELSA - Espírito Santo Centrais Elétricas S/A
FEC - Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora.
FIC - Freqüência de Interrupção por Unidade Consumidora.
FNDCT - Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
GE - General Electric Company
GEE - Gases de Efeito Estufa
GERASUL - Centrais Geradoras do Sul do Brasil S. A.
GPS - Global Positioning System
GREEN - Grupo de Estudos em Energia/PUC-MG
GTZ - Agência Alemã de Cooperação Técnica.
IASC - Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IEA - Agência Internacional de Energia (International Energy Agency)
IEE - Instituto de Eletrotécnica e Energia/USP
INB - Indústrias Nucleares Brasileiras
INMET - Instituto Nacional de Meteorologia
INPE - Instituto Nacional de Pesquisa Espacial
IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
LABSOLAR - Laboratório de Energia Solar/UFSC
MAE - Mercado Atacadista de Energia Elétrica
MME - Ministério de Minas e Energia
NIPE - Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético/Unicamp
NREL - National Renewable Energy Laboratory/DOE
OCDE - Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico
ONS - Operador Nacional do Sistema Elétrico
P& D - Pesquisa e Desenvolvimento.
PCH - Pequena Central Hidrelétrica
PIE - Produtor Independente de Energia Elétrica
PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios/IBGE
PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.
PROCEL - Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica/Eletrobrás
PRODEEM - Programa de Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios/MME
PROINFA - Programa de Incentivo as Fontes Alternativas de Energia Elétrica.
PUC - Pontifícia Universidade Católica
RIMA - Relatório de Impacto Ambiental.
ROL - Receita Operacional Líquida.
SAELPA - S/A de Eletrificação da Paraíba
SIG - Sistema de Informações Geográficas
SIN - Sistema Interligado Nacional.
SP - Serviço Público de Energia Elétrica.
UF - Unidade da Federação.
UFPE - Universidade Federal de Pernambuco
UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro
UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina
UHE - Usina Hidrelétrica
UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas
USP - Universidade de São Paulo.
UTE - Usina Termoelétrica.

Unidades de Medida
cal - caloria
J - joule
W - Watt
Wh - Watt-hora
k - kilo (10³)
M - mega (106)
G - giga (109)
T - tera (1012)
P - peta (1015)
E - exa (1018)
tEP - tonelada Equivalente de Petróleo
Wp - watt pico
http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/Atlas/sumario/siglas.htm

Estabilizador não é necessário

Estabilizador não é necessário, e no caso desse pessoal que diz que o estabilizador está fritando, podem nem saber, mas provavelmente o estabilizador está é estragando a energia por não estar aguentando tudo que está ligado nele.
Precisamos parar de ter tanto medo de usar a tomada sem ele. Se a energia é tão ruim assim, como vocês tem coragem de usar TV sem estabilizador, DVD, etc? É tão sensível quanto computador...

Veja este teste que prova o que falo:
http://www.proteste.org.br/private/41/416491_Attach.pdf


Só para se ter idéia, o nível de variação que são aceitos pelos estabilizadores já são fora dos padrões. Se não me engano, o nível de variação aceito pelos concessionárias de energia ja é menor que o do próprio estabilizador.
Vá no site da SMS e dê uma olhada nas características técnicas, ridículo. Só serve para enfeite, isso quando ele não acaba é piorando as coisas.

Sobre a proteção contra surtos, não é estabilizador que vai te proteger. Se a coisa for grave mesmo, pode ter certeza que seu disjuntor vai desarmar antes do estabilizador. E se não for, vai passar por ele de qualquer maneira e vai explodir no PC.

Enfim, eu boto a mão no fogo. Sei que está difícil hoje em dia alguém tomar posição de risco em opiniões. Muita gente fala que é para usar estabilizador pelo simples medo de falar para não usar e se sentir culpado no futuro por algo.

Agora, como disseram, terra sim seria interessante você usar. Mas também não vai ser fator determinante. Eu usei computador desde 1999 até janeiro deste ano de 2007 só com um filtro xing-link (que nada mais é que uma extensão com um varistor e um fusível) e sem terra. Só agora mudei para um lugar que tem aterramento. E, acredite: Não tive nenhum problema no PC. Antes que alguém diga que é pq o bairro que eu morava tinha energia boa, eu já aviso que eu mudei 6 vezes desde 1999.

Esse tec-tec é porque seu estabilizador é fraco demais. 200VA não segura nada.

Minha sugestão final: Ligue direto na tomada e seja feliz!

26 de julho de 2010

ferramentas para tecnicos em informatica

Descrição das ferramentas que podem ser utilizadas em instalação e manutenção de computadores.
Esta lista é bem ampla e mostra ferramentas que talvez você nunca precise.
Mas é importante conhecê-las.

Elas estão em ordem alfabética. Se você souber de outra que falta aqui, me informe.

NÃO É PARA COMPRAR TODAS ELAS.
Tenha as que forem úteis ao tipo de trabalho ao qual você vai se dedicar.

Lembre-se de que as ferramentas foram feitas para ajudar, não para atrapalhar.
Não adianta comprar ferramentas baratas e elas se estragarem quando mais precisarmos delas.
Os fabricantes que aparecem aqui não são propagandas. As imagens são apenas referências visuais.
Antes de comprar, procure alguém experiente e peça opiniões quanto ao custo/benefício.

ÁLCOOL ISOPROPÍLICO
Utilizado para limpeza de cabeçotes, placas, cds e outras partes do computador.
Sua vantagem é a de não possuir água evitando assim a oxidação das partes que forem limpas.
É encontrado em farmácias comuns ou de manipulação.
Cuidado. Este produto é altamente inflamável.

ALICATE CRIMPADOR

Companheiro de todo instalador de redes de computadores.

Existem diversos fabricantes.
Pode crimpar conectores RJ45 que são os cabos de rede ou RJ11, conectores de telefone.







ALICATE DE BICO
Alicates para serviços simples como dobrar pernas de componentes, torcer fios, puxar pontas.

Não pode faltar a quem trabalha com eletrônica.

O meia-cana de 6 polegadas é adequado.
O nome meia-cana se refere ao seu perfil que lembra uma cana cortada ao meio.
Esse é o mais comum e indicado.
Existem o “bico de pato”, “reto”, “redondo”, “ponta curva”...
6 polegadas se refere ao tamanho dele.


ALICATE DE CORTE DIAGONAL
Sua função é a de cortar fios, pernas de componentes e outros materiais.

Não pode faltar para os técnicos em eletrônica.

Tamanho ideal: 6 polegadas.

O nome diagonal indica que sua parte cortante é inclinada em relação ao cabo.
É o mais utilizado de todos.

Existem outros modelos de corte, como o “reto” e “frontal”.


ALICATE DE PRESSÃO
É um “alicatão parrudão”.

Sua utilização não é comum.
Nem todo técnico de eletrônica ou manutenção precisa dele.
Mas ajuda muito quando certos trabalhos exigem.
Excelente para se fazer força.
A boca dele pode ser utilizada para prender objetos como se fosse uma garra.
Ele pode ser apertado, evitando que o objeto se mova.

Tamanho adequado: 10 polegadas


ALICATE UNIVERSAL
Esse é pau para toda obra.

Todo mundo tem que ter um desses, mesmo que não trabalhe com eletrônica.
Certamente todo mundo tem um em casa.
O nome universal é derivado de suas utilizações.
Ele pode prender, cortar, apertar e até bater.
Seu tamanho pode ser o de 8 polegadas.





ARCO DE SERRA
É uma serra que corta chapas e canos de metal.

Esse serrotinho é o sonho de todo presidiário.
Corta metal como se fosse manteiga.
Ele é desmontável e leve.
Para manutenção serve para cortar parte de gabinete para fazer tunning.
Usado também para cortar hastes de terra, parafusos, pregos e tudo mais.
Seu tamanho deve ser de 12 polegadas.




CAIXA OU MALETA
Depois de comprar todas as ferramentas, é conveniente ter um lugar para guardar ou transportar.

Ela deve ser comprada por último, pois existem vários tamanhos.
Você deve ter uma que comporte todas suas ferramentas.
Normalmente são feitas de chapa de metal leve e resistente.








CANETA PARA RETROPROJETOR
Na eletrônica serve para traçar as trilhas e ilhas de uma placa de circuito impresso.
Na manutenção serve para marcar e identificar placas e componentes.
Existem várias cores, mas prefira as cores preta ou azul, pois são mais fáceis de ver.
Essa tinta se dissolve completamente com álcool.

CANIVETE
Preciso explicar para que serve um canivete?

CHAVE SOQUETE

Conhecida também por chave canhão.

Usada em manutenção.
Tem função de apertar aqueles parafusinhos onde se prende o cabo do monitor ou da impressora.
Seu tamanho deve ser 3/16 por 3 polegadas








CHAVE DE FENDAS "TOCO"
Utilizada principalmente em manutenção.

Ela é bem pequena em tamanho.
Serve para apertar ou desapertar parafusos em locais de difícil acesso.

O tamanho mais usado em manutenção é 3/16.

Repare no tipo de ponta. Essa é a “de fendas”.





CHAVES DE FENDAS
Muito utilizadas em eletrônica e manutenção.
Existem em vários tamanhos.
Não adianta ter uma e pensar que vai servir em todos os parafusos.
Usar chave grande em parafuso pequeno não dá. Usar chave pequena em parafuso grande pode estragar a chave.
As mais utilizadas são:
1/4 por 3 polegadas para parafusos maiores;
3/16 por 3 polegadas para parafusos médios;
1/8 por 3 polegadas para parafusos pequenos.

CHAVE PHILIPS "TOCO"
A empresa Philips criou um tipo de parafuso que é mais ágil de ser apertado, pois a ferramenta não escapa quando se está apertando.
Isso ajudou a aumentar a velocidade de produção.

Ela é pequena e permite acesso em locais apertados.

O tamanho mais usado na manutenção é o 3/16.

Veja a ponta padrão “philips”.




CHAVES PHILIPS
Possui as mesmas considerações das chaves de fendas acima.
Tamanhos mais utilizados:
1/4 por 3 polegadas;
3/16 por 3 polegadas;
1/8 por 3 polegadas.

CHAVE TESTA FASE
Utilizada em instalação de micros, de redes de computadores e tomadas.

Sua função é identificar qual é o fio fase das tomadas.

Tem uma parte de metal onde se coloca o dedo quando se insere na tomada.
Não tem perigo de choque. Se não colocar o dedo nessa parte metálica ela não funciona.

Ela não é chave de fendas! Se ficar apertando parafusos, ela pode se danificar.





CHAVE HEXAGONAL
É conhecida também por CHAVE ALLEN.

Ela aperta e desaperta parafusos hexagonais.
Esses parafusos estão em muitos equipamentos.
São quase impossíveis de se retirar sem a ferramenta certa.

Elas são utilizadas em manutenção.

Um kit como o da figura é suficiente.




CHAVES DE BOCA COMBINADAS
Não é uma ferramenta muito usual da manutenção ou eletrônica.
Mas sua utilidade em determinados momentos aconselha a se ter um jogo delas.

Um kit com tamanhos de 6 até 15 é excelente.









CHAVES TORX
Mais um tipo de chave para encher nossas caixas.

Lembra a chave hexagonal, mas na verdade é totalmente diferente.
Trabalhar em manutenção de impressoras exige essa chave.
Alguns drivers de cd ou dvd usam essa chave também.

Existem diversos tamanhos, mas o T6, T10 e T15 são os mais utilizados.







CHAVE DE PRECISÃO
Conhecida também como “chaves de relojoeiro”.

Para parafusos muito pequenos.
Usado em manutenção de drivers de disquetes ou cds.

Um kit comum possui chaves de fendas e philips.







COLAS
Volta e meia precisamos reparar equipamentos simplesmente unindo partes que se soltaram.
As colas podem ajudar.
Mas atenção. Existem colas diferentes para cada situação.
A superbonder que todo mundo conhece é um perigo. Tanto para os dedos quanto para os objetos a serem colados.
Lembre-se que ela cola objetos rígidos e imóveis. Se tentar colar uma palmilha de sapato ela vai soltar com o movimento do pé.
Ela funciona “derretendo” parte do material a ser colado. Assim sendo cuidado, pois ela mancha plástico, couro ou materiais sintéticos.
A durepoxi é outra cola rígida. Você mistura duas partes dela. Ela fica parecendo uma massinha de modelar. Em seguida você aplica no objeto a ser colado. Pode demorar a fazer a colagem, pois a durepoxi leva horas para secar completamente.
Ela ajuda a corrigir imperfeições e pode ser pintada depois.
A araldite é uma cola flexível. São misturadas duas partes diferentes criando uma meleca que pode ser aplicada aos objetos a serem colados.
A araldite permite que as partes coladas se movimentem um pouco pois é flexível.

ESCOVA DE AÇO
Ela é feita com cerdas de metal. Sua utilização é rara em manutenção. Sua aplicação principal é na retirada de camada oxidada de gabinetes ou hastes de aterramento. Se um gabinete apresenta uma ferrugem, a escova de aço pode “raspar” parte dessa oxidação antes que se possa fazer uma nova pintura.
(XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX) Não encontrei referência ao tamanho ainda. Vou atualizar essa informação depois...

ESTILETE
Com função similar ao canivete, ele tem a vantagem de ser bem fino e afiado.

Possui dois tamanhos: 9 ou e 18 milímetros.










EXTENSÃO ELÉTRICA
Em determinados momentos a tomada fica longe do local onde se precisa de energia elétrica.
Uma extensão de uns 5 metros é adequada.

FERRO DE SOLDA
Usado em eletrônica e manutenção.

Sua principal utilização é soldar componentes e fios.

A potência de 30 watts é suficiente para uma boa soldagem.








FITA ISOLANTE
Uma vez feita a união de fios, a fita isolante evita curtos circuitos.

FLANELA BRANCA
Para limpeza de computadores. A cor branca ajuda a saber o momento em que essa flanela precisa ser trocada.

FURADEIRA ELÉTRICA
Quem não conhece as aplicações de uma furadeira?
É interessante que ela tenha o recurso de “impacto”, que auxilia no momento de fazer furos em paredes ou tetos.
Lembre-se que a furadeira é uma máquina “perigosa”. Treine bem seu uso antes de sair com uma por aí.
As brocas são divididas em três grupos principais:
Madeiras;
Metais;
Concreto.
O uso de uma em lugar da outra pode estragar a broca ou o material que está sendo furado.
As brocas possuem números que correspondem a sua espessura.
Verifique antes qual vai usar para não fazer furos grandes ou pequenos demais.

LANTERNA
Alguns componentes dos computadores ficam em cantinhos escuros.
Nem sempre dá para virar o computador para entrar luz.
Uma lanterna, de preferência daquelas de cabeça que deixam as mãos livres, resolve esse problema.

LIXA D’ÁGUA
Ao cortar placas de circuito impresso, algumas rebarbas afiadas podem aparecer. As lixas evitam isso.
A granulação 100 é suficiente.

LIMA
Partes do gabinete ou de outros equipamentos podem conter pontos afiados.

Uma lima pode servir para acertar esse problema.

A mais indicada para manutenção, pode ser a que tenha as seguintes características:

Murça, meia-cana, corte simples, 6 polegadas.






MARRETA
Para se enterrar uma haste de terra de três metros de comprimento, nada melhor que boas marretadas.

E a marreta não pode ser leve sob pena de se ficar horas marretando a haste.

Uma de um quilo resolve o problema.








MARTELO UNHA
É o martelo comum que temos em casa.

O nome “unha” vem dessas “orelhas” que eles têm que servem para arrancar pregos.

Um tamanho médio é suficiente.








MORÇA
Também chamado, erradamente, de torno, essa ferramenta é excelente para prender peças que serão trabalhadas.

Deve ser fixada em um lugar bem firme pois sua aplicação é para com objetos que serão serrados, pregados, batidos e coisas “brutas”.

No caso do tunning as peças a serem trabalhadas ficam presas nela enquanto são limadas, lixadas, furadas e rebitadas, como veremos no rebitador logo abaixo.




MULTÍMETRO
Muito utilizado em manutenção e eletrônica.

Tem a função de identificar valores de tensão, resistência, corrente e várias outras unidades.

Dê preferência aos digitais por serem mais baratos, robustos e fáceis de serem lidos seus valores.








ÓLEO DE MÁQUINA
É um óleo comum com função de amaciar engrenagens agarradas, portas barulhentas, cadeiras rangedoras etc.

PAQUÍMETRO
É um instrumento de precisão que serve para medir diâmetros internos, externos e profundidade.

Na eletrônica podemos medir distâncias entre terminais de componentes, diâmetros de fios etc.

Como a precisão não é fato determinante nesse caso, pode ser adquirido um modelo de plástico de 15 centímetros.













PARAFUSOS
Para prender tomadas, aparelhos, caixas e tudo mais.
Existem parafusos para madeira, parede e metal.
Os modelos com bucha são excelentes para paredes. Tenha os tamanhos 4, 6 e 8 e suas buchas.
Os modelos soberbos são para madeira. Os tamanhos vão variar conforme o uso.
Para metal usamos os parafusos com porca. Os tamanhos vão variar conforme o uso.
Tenha também as brocas correspondentes para usar na furadeira.

PASSA FIO (também chamado guia)
Para o pessoal da manutenção este equipamento ajuda muito.
Serve para puxar fios dentro da tubulação elétrica. Os modelos atuais são de plástico resistente com ponteiras de metal.
Ele vai sendo introduzido na tubulação até sair em um outro ponto.
Em seguida é preso nele o fio que se que passar pela tubulação e puxa-se pela ponta que saiu na outra caixa.
Um passa fio de 5 metros costuma ser suficiente.

PASTA TÉRMICA
Para o pessoal da manutenção.
É uma pasta que se coloca entre o cooler e o processador para auxiliar na transferência do calor entre eles.
Ajuda na refrigeração do processador pois aumenta a área de contato.

PANO DE PRATO
Faz parceria com a flanela branca.
O pano é para limpeza mais pesada, quando o equipamento do cliente se encontra muito sujo.

PINÇA
Sabe aquele parafusinho que caiu entre os slots e que não tem como retirar a não ser virando o pc de cabeça para baixo?
Pois é, com uma pinça não precisa isso.

Esse modelo com ponta reta e serrilhada ajuda tanto a pegar parafusos fujões quanto a levar parafusos em locais inacessíveis aos dedos.

Colocar e retirar jumpers também fica fácil.




PINCEL
Uma boa pincelada pode ajudar no funcionamento de máquinas.
JAMAIS SOPRE PLACAS DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS. A saliva que vai junto com o sopro pode ser fatal.
Um pincel de 1 polegada resolve 100%.

PISTOLA DE COLA QUENTE
Aquela montoeira de fios soltos e balançando dentro do gabinete pode atrapalhar.

Uma cola como essa pode resolver o problema.
As outras já citadas acima também podem resolver.
Mas essa cola quente é muito utilizada.
Não se esqueça dos bastões de cola.







PREGOS
Bem, já que temos um martelo, devemos ter também pregos.
Pregos nas medidas
(XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX) esqueci de ver os tamanhos, atualizo depois.

PRODUTOS DE LIMPEZA
Já que temos flanelas e panos de prato, nada mais adequado que termos também produtos que ajudem na limpeza.
Produtos de cozinha como veja multiuso, ajax, detergente, veja limpeza pesada, bombril etc.
Isso tudo ajuda a melhorar o visual da máquina, dando a impressão de que ficou “novinho”.
Eles podem ser transportados em frascos de remédios, previamente vazios e lavados, tais como dipirona, ou comprados em lojas de R$1,99.

REBITADOR POP
Esse aqui é um luxo.

Sua função é a de unir duas chapas com um rebite.
É uma ferramenta muito necessária para quem gosta de tunning ou simplesmente inventar coisas.
Seu uso deve ser feito junto com a furadeira pois os rebites precisam passar por furos.
Existem vários tamanhos de rebites e seu uso depende do objetivo final.


SUGADOR DE SOLDA
Este é muito utilizado na eletrônica.

Se um componente soldado em uma placa queimou ou precisa ser substituído, o sugador ajuda.

Acompanhe pela figura ao lado o seu uso.




SUPORTE PARA PLACA DE CIRCUITO IMPRESSO (PCI)
Esse é uma mão na roda para o pessoal da eletrônica.
É um suporte que mantém a pci em uma posição que facilita a soldagem, mantendo suas mãos livres para trabalhar com o ferro e a solda.
Ele possui uma garra que o prende em qualquer mesa.

T E ADAPTADORES
Não são dispositivos profissionais. Mas chegar em um cliente e deparar com uma tomada monofásica pode atrasar seu serviço.
Tenha sempre T’s e adaptadores que permitam ligar aparelhos diferentes.

TESOURA
Esta ferramenta pode ser daquelas comuns de cortar pano mesmo.
Precisando abrir uma embalagem ou recortar algo, nada mais prático do que uma tesoura.

TRENA
É uma “fita métrica” de aço.
Imagine-se em um cliente e ele pede para que seja instalada uma tomada em um determinado ponto.
Como saber quantos metros de fio comprar?
Seu tamanho varia, mas a de 3 metros é suficiente.

WD40
É um produto “faz tudo”. É lubrificante, elimina a umidade, diminui a ação da corrosão, ajuda a retirar porcas e parafusos emperrados, limpa resíduos de gordura e graxa. A vantagem é que não possui elementos que ataquem a borracha, verniz das placas, tintas do gabinete etc.
Cuidado pois esse produto é inflamável.

DIVERSOS
Centenas de objetos poderiam fazer parte de uma caixa de ferramentas.
Barbante, linha, nylon, agulhas, potinhos de negativos de filmes fotográficos (para transporte de pequenos objetos), palitos de dente e picolé (para fazer calços), papel toalha, jornal velho (para forrar o chão e evitar sujeiras ou forrar mesas para evitar arranhões), isqueiro, esmalte base de unhas (para pintar pontos de modo a evitar aumento de corrosão), gilete, caneta, papel para anotações... Uma infinidade de coisas.

KITS PRONTOS
Eu particularmente não gosto por apresentarem, às vezes, ferramentas desnecessárias.
Porém em alguns casos o valor final pago compensa.

Esse aqui possui várias ferramentas descritas nesse artigo.

Dá para ver a lanterna, lima, pistola de cola quente, várias chaves de fendas ou philips, estilete, uma serrinha martelo, alicate, fita isolante, parafusos e buchas, rebitador pop, trena, chaves de boca eu um nível que mede inclinações de superfícies.

Este é da Tramontina. Existem vários fabricantes e diferentes opções de kits.
Uma passada em lojas de ferramentas pode oferecer um mundo de opções.





Caixa pronta.

Muitas lojas vendem caixas de ferramentas já com um público direcionado.
Eles montam as caixas seguindo pesquisas de opinião.

Mas nada impede de você montar sua própria caixa ou trocar itens.

Novamente proponho uma visita a uma loja de ferramentas.





Essa é interessante para o pessoal da manutenção.
Fechada, com zíper, se parece com um livro.

Ela foi montada com as ferramentas mais utilizadas no conserto de computadores.

Além das chaves de fendas e philips já vistas aqui, vemos no centro um tubo para guardar parafusos, três tipos de pinças, sendo que a amarela funciona como uma garra que prende o parafuso, permitindo levá-lo ao ponto certo onde será aparafusado.







Divirta-se

Dário
www.dariobarros.com.br

multimetro veja como usar

visualizar


http://www.youtube.com/watch?v=_ObMsU_E8nw

senha segura

Desde os primórdios da ARPANET (a rede que hoje se transformou na internet como conhecemos) já se utilizavam senhas para manter os conteúdos seguros. Na verdade, o uso de senhas provavelmente é inspirado nos cofres que protegem tesouros e que só podem ser abertos após uma combinação específica. E que tesouro pode ser maior do que nossas informações?
Muitos não dão a atenção que deveriam para as senhas na internet, pois apostam em combinações fracas e fáceis de serem descobertas — assunto a ser tratado mais tarde. É importante pensar que, a partir de seu email, uma pessoa pode descobrir muitas coisas a seu respeito, desde dados pessoais até locais em que você costuma estar.
Nas redes sociais, como o nome já sugere, costumamos nos relacionar com outras pessoas, como colegas do trabalho, dos estudos, círculo de amigos etc. Sendo assim, consequências realmente sérias poderiam ocorrer se roubassem a sua senha e o caluniassem publicamente na internet.
Um caso recente de conta hackeada foi o apresentador Luciano Huck, que teve o Twitter invadido e com postagens de provocações como “Sério que a tua senha é a data do teu aniversário?”.
Afinal, como as senhas são descobertas?
A resposta é: de várias maneiras diferentes. Algumas das maneiras consistem simplesmente em tentativa e erro, seja de modo humano ou com quebradores de código. A primeira tentativa de um cracker (a pessoa que tenta roubar as senhas) sempre é usar as senhas mais comuns, como sequenciais, nomes de pessoas próximas e datas de aniversário.
Já os programas utilizados para roubar as senhas fazem praticamente o mesmo que uma pessoa, com a diferença de serem totalmente automáticos. Basta que o cracker coloque o site desejado, usuários e quantidade de tentativas para que o programa funcione continuadamente até que uma lista de logins e senhas seja gerada.
O chamado Phishing também é uma maneira de roubar usuários e senhas. A partir de uma cópia muito parecida de algum site, os crackers enviam um email "urgente" para várias pessoas entrarem com o login e senha. Mas, ao invés de você ser redirecionado para a página original, tem os dados roubados.
Também existem os keyloggers, programas que se instalam em seu computador como um vírus ou são colocados secretamente em computadores públicos (principalmente de lan-houses) para roubar os dados. Assim que você digita o usuário e a senha com o teclado, o keylogger os salva em um arquivo para que o cracker acesse e visualize o site em questão.
E, claro, há o modo mais convencional de todos, que é o roubo da senha pessoalmente. Basta a pessoa dar uma leve esticada com o pescoço enquanto você digita a senha para descobri-la. Além disso, outra pessoa pode também procurar por algum papel ou lugar em que você anotou a combinação.
As senhas mais comuns
O que devo evitar para criar uma senha segura?
O primeiro passo para uma senha segura é evitar absolutamente tudo o que foi colocado acima como “senhas mais comuns”, pois os programas para quebrar códigos vão tentar primeiro o que é mais utilizado, já que soma mais ou menos 20% dos usuários de hoje.
Palavras comuns (principalmente em inglês) vêm logo em seguida das senhas mais usadas, por isso é importante evitá-las. Ou seja, na hora de criar uma senha, não saia olhando para sua mesa procurando objetos que podem “inspirá-lo”.
Evite também usar informações pessoais para criar sua senha, pois as pessoas podem facilmente obter de tudo hoje, graças às redes sociais. Ou seja, não use nome de pessoas próximas, de animais de estimação e muito menos a data de nascimento/aniversário. Também devem ser evitados nomes de locais geográficos, como cidades, países etc.

O lembrete de senha nunca deve ser tão simples como insinua. Isso porque geralmente já existe uma caixa de seleção com perguntas óbvias: “Qual seu animal de estimação” e “Em que cidade você nasceu”, por exemplo. Aproveite para colocar uma resposta diferente e que não tenha nada a ver com a pergunta. Assim, você evita que as pessoas consigam trocar sua senha.
É muito frequente as pessoas utilizarem a mesma senha para vários sites diferentes (às vezes para todos os quais têm conta). Isso só facilita ainda mais para os crackers, já que com a posse de uma senha eles acessam tudo a seu respeito. Além disso, eles sempre começam a descoberta pelos sites que consideram ter a segurança mais fraca.
Dicas de como criar uma boa senha
Agora que você já viu tudo o que deve evitar, pode conferir algumas dicas de como criar uma boa senha. Sempre que você está em um site realizando o cadastro, aparecem instruções de como você deve criar uma senha, quantos caracteres são necessários e o que é permitido. É importante usar isso como base para a criação de uma boa senha.
Não use somente caixa baixa ou alta, faça uma mistura das duas formas. Para “complicar” mais ainda, é essencial misturar números com as letras. Usar caracteres especiais ($, #. +, = etc.) é sempre uma boa ideia quando permitido pelo site.

O único problema é que muitos vão ter um problema de memorização com senhas tão complicadas. Ou seja, algo como “UpMnSt!34$” pode não ser a melhor opção se você não tiver boa memória. Uma boa tática é criar uma frase e transformá-la em uma espécie de sigla. Por exemplo: “Fui embora de São Paulo porque não tinha 15 reais” vira facilmente: “FedSPpnt15R$”.
Usar a “técnica leet”, ou seja, de números no lugar de letras, também é uma boa ideia para fugir do comum quando se quer utilizar nomes e palavras. Por exemplo: a palavra superpoderes pode se transformar em “5up3rp0d3re5”.
Em último caso você pode utilizar um dos vários geradores de senha que existem por aí. Eles normalmente sorteiam várias letras com base em alguma informação que você dá, como número de caracteres e o que é permitido ou não. No Baixaki é possível encontrar alguns geradores de password, como: SafePasswd, Advanced Password Generator, SoftFuse Password Generator, Magic Password Generator e XPassGen.
Por fim, você pode usar um verificador bastante exigente feito pela Microsoft, que diz qual a força detectada em seu password com uma medição em quatro níveis. Clique aqui para acessá-lo. Outro serviço bastante parecido para fazer essa verificação é o How Secure Is My Password?, que diz quanto tempo leva para “quebrar” sua senha.
O que as empresas estão fazendo
Pelo menos com uma coisa você pode ficar tranquilo: se alguém invadir sua conta, talvez a culpa não seja sua, pois é responsabilidade dos serviços online terem um sistema à prova de falhas de segurança e que exijam boas senhas. É por isso que muitos sites estão adotando novas regras para os usuários.
É normal que os sites hoje exijam uma senha de pelo menos 6 caracteres. Entretanto, as regras estão indo cada vez mais longe, com sites que obrigam você a usar letras maiúsculas e minúsculas, assim como números no meio da senha e muito mais caracteres — às vezes chegam a pedir 14.
Também é normal que a conta seja bloqueada após muitas tentativas erradas. Mas, como muitos usuários continuam com senhas comuns, logo os crackers inverteram: ao invés de tentar descobrir a senha, procuram pelo usuário. Ou seja, colocam uma senha comum para muitos e verificam quais usuários a utilizam.
Pensando em resolver isso, a Microsoft Research desenvolveu um método simples para que o sistema detecte quantos usuários usaram a mesma senha no site. Dessa forma, se 100 pessoas se cadastrarem com a mesma senha, ela é bloqueada. Isso evita que a senha se torne comum e possa ser usada pelos crackers para encontrar várias contas.
Apesar de o artigo ser grande, não é difícil conseguir criar boas senhas. Só é preciso se precaver de várias situações diferentes, como foi mostrado acima. Agora tudo o que você precisa fazer é arrumar boas senhas individuais para cada site e trocá-las regularmente.

fonte - baixaki